Os Três Porquinhos da Educação

3_Little_PigsEducador que é esperto, nunca deixa de ler tudo o que puder, principalmente contos e fábulas. Somos todos contadores de histórias ou podemos ser mas, para um educador, é fundamental ser articulado e solto para encontrar soluções criativas quando a coisa fica preta. E não adianta alugar um DVD da Disney e achar que já aprendeu. Tem que ir na fonte, nos Irmãos Grimm, Joseph Campbell, nas maravilhosas Parábolas Sufi, Budistas, nas Lendas Africanas e, claro, no nosso fabuloso Monteiro Lobato. Quanto mais você souber sobre lendas, fábulas, contos, parábolas (e são todos estilos diferentes de narrativa), mais vai conhecer o ser humano. Pode acreditar.

Pra ser honesta, eu ia usar os Três Porquinhos para exemplificar como funciona o nosso sistema de ensino no Brasil. Eu ia te contar como construimos bases que se dizem sólidas para gerar uma educação realmente de qualidade mas que, na verdade são feitas de palha e caem no primeiro sopro. Depois eu iria argumentar que isso acontece por preguiça governamental, desvio de verbas que iriam para educação e uma série de outras malandragens. Eu ia tentar te mostrar que não adianta troca a palha por madeira e que isso seria apenas, como dizem os baianos, tapar o sol com a peneira. E que isso já é feito em cada troca de governo através de promessas vazias e escolas de sucata onde falta até lousa e material escolar. Nem vou citar que a educação atual precisa de tablets, uma internet gratuita para cada escola e universidade e, pelo menos, profissionais remunerados de acordo. Estas coisas me irritam, então por que eu iria querer irritar você também?

3_Little_Pigs___Houses_by_mcapplbeeOs Três Porquinhos, eu descobri, é um conto que vem lá de 1800 e bolinha. No original, os dois primeiros porquinhos são comidos pelo Lobo Mau, esse Cobrador Universal da nossa falta de atitude ou preguiça. Também no original, eles são expulsos de casa pela mãe para que cada um possa ir em busca da “a fortuna por si mesmo”. Isso quer dizer, crescer e amadurecer e criar independência. Se eu fosse ficar esperando que alguém me desse um terreno, uma casa, todas as bases financeiras e tal, a Casa do Zezinho não teria saído do papel. Muitas vezes, não existe um Lobo Mau. É a gente que assopra o nosso potencial pra longe. É a gente que resolve escolher alguma coisa (uma pessoa, um governo, a falta de tempo, etc) pra fazer mimimi e não agir. É bom se ligar nisso enquanto é tempo.

Então, educador que só reclama, não faz. Governante que só promete, não cumpre. Percebeu que eu nem falei na última casa, a de tijolos? É porquê este seria o final da história e eu vou além. Eu quero casas autossustentáveis, hortas e alimentos sem agrotóxicos. Eu quero mais lazer e conhecimento, quero uma nave espacial para levar as crianças para aprender Astronomia lá no espaço mesmo, mais tecnologia que gere qualidade de vida, etc. Eu quero tudo que a minha imaginação puder criar e quero chegar lá. Quem vai vir comigo nesta jornada?

Enquanto você pensa na resposta, dá um clique nos links acima e depois me responde. Fui.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s